Usuário do PISAM ministra oficina sobre artes visuais para público do ambulatório do Hospital Portugal Ramalho

Usuário do PISAM ministra oficina sobre artes visuais para público do ambulatório do Hospital Portugal Ramalho

Betty Costa – Assessora de Comunicação do HEPR

“Mediação Cultural Pedagógica: Diálogos sobre artes visuais, educação ambiental e Saúde Mental”. Este é o tema da oficina para profissionais e usuários do Ambulatório de Saúde Mental Doutor Alberto Magalhães (PISAM), do Hospital Escola Portugal Ramalho, unidade assistencial da Uncisal. Com carga horária de 20 horas, os debates e ministração estão sendo realizados às quintas-feiras, durante todo o mês do agosto.

A oficina surgiu do artista visual e também usuário do ambulatório, Lírio Barbosa que encaminhou a iniciativa por escrito para a equipe técnica do PISAM.  “Aproveitei para inscrever a proposta como atividade complementar do meu projeto de exposição individual que será realizado em setembro no Museu Floriano Peixoto”, salientou o oficineiro. A exposição particular do artista foi selecionada por meio de edital público da Secretaria de Estado de Cultura de Alagoas. Essa é a primeira vez que oferecem, através de edital, a categoria arte inclusiva. “E isso nos possibilitou tratar de um tema tão delicado em maior amplitude e envolver mais usuários da saúde mental no meu projeto de exposição singular, quando o resultado final desenvolvido coletivamente pelos participantes da oficina, será inserido como uma das minhas obras”, disse Lírio Barbosa.

Segundo o artista, o objetivo é produzir um trabalho coletivo, partilhando e trocando conhecimentos sobre artes visuais, sustentabilidade, mediação cultural e saúde mental. Segundo Lírio, o aproveitamento dos resíduos sólidos despertam um novo olhar e infinitas possibilidades aos cursistas de ser e existir na sociedade. “Nossa ideia é reduzir danos à saúde mental, através das práticas artísticas pedagógicas”, destacou. Para Lírio, a incorporação de um artista não-binário com deficiência em um espaço museológico, oportuniza a atenção da sociedade, à saúde mental  da população LGBTQI+. “Essa é a primeira mostra que possibilita pautar políticas de diminuição de perdas à saúde mental  compreendendo o público LGBTQI+.

Durante os encontros, estão sendo apresentados aos participantes, a importância da contribuição da alagoana Nise da Silveira na reforma psiquiátrica, a arte de Artur Bispo do Rosário, a mediação cultural, o processo de humanização, bem como a prática artística sustentável com a oficina de papietagem, manejo da utilização de papeis.

A abertura da exposição que fará alusão à campanha  Setembro Amarelo será lançada no dia 10 de setembro no MUPA, localizado na Praça dos Martírios.

agosto 12, 2019 · Não é possível comentar
Publicado  em: banner, Noticias  Por: patricia