Uncisal conclui turmas 2017 da Universidade Aberta à Terceira Idade

Uncisal conclui turmas 2017 da Universidade Aberta à Terceira Idade

Eduardo Almeida

A Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal) realizou, nessa terça-feira (5), na sede da Associação dos Subtenentes e Sargentos de Alagoas (ASSMAL), no Trapiche da Barra, em Maceió, a formatura das turmas 2017 do projeto de extensão Universidade Aberta à Terceira Idade (Uncisati).

O evento reuniu estudantes e professores em uma cerimônia que contou com entrega de certificados, homenagens e apresentações da banda de música do Corpo de Bombeiros e do coral extensionista da Uncisal.

Segundo o professor George Souza, pró-reitor de Extensão, o Uncisati proporciona cursos e oficinas para idosos que integram a comunidade circunvizinha. Qualquer um que se enquadre no perfil do projeto pode se inscrever. E, segundo ele, as inscrições para as turmas do próximo ano deve ter início em fevereiro.

“O projeto existe desde 2008 e a nossa intenção é expandir. Nós vamos iniciar as inscrições para as próximas turmas em fevereiro. Inicialmente, serão abertas vagas para quem já é aluno. Depois, abriremos novas vagas. Vamos melhorar as oficinas e oferecer um espaço exclusivo para o Uncisati”, explicou o pró-reitor.

RELEVÂNCIA SOCIAL

Na oportunidade, a vice-reitora da Uncisal, professora Ilka Soares, destacou a importância social do Uncisati e lembrou que o projeto leva a comunidade para dentro da instituição. “É um trabalho muito importante. A Uncisati tem proporcionado alegria a todos nós. É muito importante para a Uncisal e é muito importante para a comunidade”.

No mesmo sentido, o reitor Henrique Costa ressaltou a importância do projeto e destacou a necessidade de fortalecimento do Uncisati. “É um dos projetos mais importantes da Uncisal, que tem que ser fortalecido, melhorado a cada dia. Eu tive a oportunidade de encontrar o pessoal da associação e discutir melhorias. Pedi ao professor George [Souza] para dar o máximo de atenção a esse projeto”, observou o reitor.

SUPERAÇÃO

A história da dona de casa Marineide Vieira Cavalcante, de 52 anos, demonstra a importância do projeto. Marineide concluiu o terceiro curso seguido e conta que as oficinas a ajudaram a superar a síndrome do pânico. “Estou me formando em pintura em tecido, mas já conclui os cursos de pintura em vidro e bordado. E não pretendo parar por aqui. Penso em me matricular novamente no próximo ano”, conclui.

dezembro 6, 2017 · Não é possível comentar
Publicado  em: Noticias  Por: Eduardo Bruno Almeida dos Santos