Comunidade acadêmica discute estágios em unidades assistenciais da Uncisal

Comunidade acadêmica discute estágios em unidades assistenciais da Uncisal

Eduardo Almeida

Uma reunião realizada nesta quinta-feira (14), no prédio-sede, retomou o debate sobre estágios em unidades assistenciais da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal). O encontro contou com a participação de gestores da universidade, professores, representantes do Hospital Escola Helvio Auto e de integrantes do movimento estudantil.

O reitor Henrique de Oliveira Costa explicou que a reunião teve como objetivo discutir solicitações feitas por uma instituição privada de ensino para uso das unidades assistenciais como campo de estágio para o curso de Medicina. O gestor lembrou que o posicionamento da Uncisal será precedido de um amplo debate que envolva toda a comunidade acadêmica.

“Nossa ideia é esclarecer o que está sendo colocado do ponto de vista jurídico, do ponto de vista legal e de fatos relacionados com as diretrizes curriculares. Os pedidos que foram feitos à Uncisal e que foram discutidos no passado, foram todos arquivados. Agora, eles estão sendo retomados. O primeiro ponto é esclarecer o que tem por trás dessa discussão”, explicou.

De acordo com Henrique Costa, um ponto que deve nortear a discussão é a garantira de qualidade nos estágios para os estudantes. “É importante a gente unir as forças no sentido de garantir aos nossos estudantes o estágio, os nossos hospitais, com qualidade”, disse.

E acrescentou: “O que ficou claro nas nossas discussões é que não é uma questão de bairrismo, de rechaçar as faculdades privadas. É uma questão que a gente tem que respeitar, primeiramente, o paciente, e, depois, garantir que a nossa comunidade acadêmica, que detém o controle do hospital, que ela seja bem assistida. Não adianta eu resolver o problema das faculdades particulares, criando um problema para a nossa comunidade”.

Para o reitor, o primeiro encontro foi considerado positivo e o grupo deverá se dividir para a produção de relatórios, que vão embasar o posicionamento da instituição. “Nós vamos utilizar relatórios das dificuldades que os estudantes apontarem, verificar o que foi levantado pela gestão passada, e, com base nessas informações, vamos ampliar para saber como seria a qualidade do estágio e qual a capacidade para atender a essa demanda. A gente precisa estar embasado para responder com serenidade aquilo que é possível e impossível de aceitar”.

 

junho 14, 2018 · Não é possível comentar
Publicado  em: banner, Noticias  Por: Eduardo Almeida