Alunos da terceira idade fazem festa na Uncisal

Alunos da terceira idade fazem festa na Uncisal

Os alunos da terceira idade da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal) fizeram a festa na terça-feira (7) no pátio da Universidade. Com danças, exercícios e demonstração de conhecimentos em inglês e informática os 300 alunos da Universidade Aberta à Terceira Idade (Uncisati), mostraram que o projeto de extensão gera algo além do conhecimento, a qualidade de vida.

Aos 80 anos, Terezinha de Araújo é aluna veterana. Está no projeto desde 2006 e já fez aulas de inglês, espanhol, arte e este ano participa da turma de informática básica ministrada pela técnica do Instituto de Tecnologia em Informática e Informação do Estado de Alagoas (Itec), Vera Cavalcante.

“A Uncisati é uma terapia, uma ocupação de tempo. Aqui fiz novas amizades e aprendi muita coisa. Uso internet aqui e na minha casa. Já tenho Orkut, troco recados com meus netos e sobrinhos que moram no Rio de Janeiro e São Paulo, faço minhas pesquisas. Coloco aqueles bonequinhos nos recados, sabe aqueles bonequinhos com sorriso? como se chama, mesmo? A Uncisati é minha segunda casa”, comenta Terezinha.

Professora das quatro turmas de informática básica da Uncisati, Vera Cavalcanti fala que próximo ao recesso os alunos só pensam em aprender mais sobre as redes sociais para continuar se comunicando. “O curso contempla aula de Windows, Word, Excel, Power Point e Internet, mas nesse último mês o que eles estão interessados mesmo é no Facebook, alguns já falam até em arrumar namorado”, comenta Vera.

A Uncisati possui 12 turmas anuais, sendo quatro de informática apoiada pelo Itec, e turmas de equilíbrio e postura, Isostretching, meditação, artes, inglês, etiqueta social e envelhecimento ativo. As matrículas ficam abertas no mês de dezembro para os que já participam e em janeiro para os novos alunos.

Para evitar as filas que começam a se formar as cinco da manhã, a Uncisal começará a fazer as matrículas através da internet na página da Uncisal, informa a coordenadora pedagógica, Luciana Dantas, que explica também a mudança das atividades antes semestrais, “tínhamos muita dificuldade em sincronizar o horário dos monitores, agora a Uncisati passa a acompanhar o calendário da Uncisal”, conclui.

A novidade mais comentada entre os alunos é a aula de Isostretching, técnica francesa que o Pró-reitor de Extensão, Geraldo Magella, trouxe especialmente para a Uncisati.  A técnica faz o realinhamento da coluna, alivia a dor, diminui o consumo de antiinflamatórios, que segundo o pró-reitor acabam prejudicando outras partes do corpo como o estômago.

Condecorado pelo Mec com o prêmio Proext 2011, o projeto da Uncisati é visto com muita responsabilidade por Magella que reitera a obrigação da Universidade em promover ensino, pesquisa e extensão e devolver à sociedade os custos através dos projetos sociais.

“Apesar da nossa obrigação em oferecer projetos voltados à sociedade, a Uncisal tem essa vocação em instrumentalizar os alunos para os trabalhos com a comunidade. Temos vários programas nessa linha, como o xeque-mate que ensina xadrez para crianças e jovens, acompanhando o desempenho deles na escola, temos o Uncisaids que realiza um trabalho voltado para os portadores de AIDS, DST e gravidez na adolescência, temos o jovem doutor que ensina crianças do interior, cuidados básicos com a saúde, dando pra cada uma, um diploma e um jaleco para que esta dê dicas de saúde na sua região e esteja sempre em contato conosco através da internet”, reforça Magella.

A bocha é outro programa de orgulho para a Uncisal, que conseguiu trazer os tetraplégicos e paraplégicos para jogar regularmente no pátio da Universidade. O pró-reitor comenta que dia 16 de junho o grupo participará da seletiva para as olimpíadas paraolímpicas em João Pessoa.

Dissertação de Mestrado
A projeção da Uncisati já ganhou interesse da área acadêmica tecnológica, professores do curso de tecnologia da Uncisal e mestrandos pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Marcelo Santana e Fabrícia Oliveira estão desenvolvendo dissertações em cima do projeto. O objetivo é construir um modelo de aprendizagem colaborativo para aprimorar o conhecimento do idoso.

“Por causa da idade, muitos idosos tem dificuldades em termos de usabilidade do computador, nossa proposta é fazer uma pesquisa em torno dessas dificuldades, identificá-las e construir um novo portal para a Uncisal voltado para os idosos”, explica Marcelo Santana.
São dissertações diferentes que se unem em um único propósito. Enquanto Marcelo trabalha a parte da usabilidade, Fabrícia pesquisa a parte da linguagem. “A sociedade moderna é voltada para o jovem, os sites são construídos pensando neles, mas existe uma nova clientela surgindo que se interessa em aprender as novas tecnologias e o nosso trabalho tentará facilitar esse processo”, completa Fabrícia.

Fonte: Itec

junho 10, 2011 · 4.226 Comentários
Publicado  em: Noticias  Por: Gabriela Flores